BRANDÃO DE PINHO
 
A propósito dos antigos colégio particulares de Arouca
 
OPINIÃO | Prestaram um excelente auxílio ao cumprimento da escolaridade obrigatória e formação
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
No meu último artigo, a propósito do ensino preparatório em Arouca e, nomeadamente, sobre alguns dos factos mais relevantes para a sua história, referi que, por força da sua oferta comum, esses eram também alguns dos factos que contribuíram para o fim dos colégios particulares que, durante vários anos, enquanto não foi criado e não se tornou suficiente o ensino oficial no concelho, prestaram um excelente auxílio ao cumprimento da escolaridade obrigatória e formação de muitos arouquenses, e que, por isso, voltaria ao tema a este propósito.
Assim, muito resumidamente: depois de uma curtíssima e controversa experiência, em meados dos anos trinta, com o anunciado Colégio-Liceu de Arouca ou Colégio Rainha Santa Mafalda (1934-1935), como acabou por se denominar a escola então projetada para a Quinta de São Pedro, nas imediações da vila, mas que logo viu na insuficiência das instalações o seu principal e determinante obstáculo, foram três os colégios externatos particulares que funcionaram entre nós e ainda se conservam na memória de muitos: o Colégio de Santo António (1954-1971), o Colégio de Santa Mafalda (1956-1976) e o Colégio Salesiano de Arouca (1960-1982).
Ainda hoje existe, à margem da estrada, no lugar de Santo António, freguesia de Santa Eulália, entretanto adaptado a complemento de habitação, o edifício construído de raiz para nele albergar um colégio e aí ser ministrado o ensino primário e liceal a ambos os sexos, que se ficou a dever a Abílio de Brito Cabral Duarte Brandão. Determinou-se este professor a ser ele, na medida das suas possibilidades, o primeiro a meter mãos à benemérita tarefa de criar no concelho o ensino liceal, começando por sanar tão grave deficiência concelhia. Reunidas as condições necessárias e obtido o competente alvará, entrou em funcionamento no ano letivo de 1954/55, o denominado Colégio Externato de Santo António.
Pouco depois desse, desta feita às portas da vila, no Alto da Estrada, num edifício particular então pertencente às herdeiras de Alfredo António Camossa Nunes Saldanha - que ainda hoje aí existe integrado na Escola Secundária -, começou a funcionar, no ano letivo de 1956/57, sob direção de Mafalda Beato de Oliveira Barros, o Colégio Externato de Arouca ou Colégio de Santa Mafalda, como passou a denominar-se logo no ano seguinte, destinado a lecionar, exclusivamente a Raparigas, a Instrução Primária, a admissão aos Liceus e Escolas Técnicas, os Cursos para Regentes Escolares e o 1.º e 2.º Ciclos.
Há muito previsto, mas empatado pelas obras necessárias, no ano letivo de 1960/61 começou a funcionar no Mosteiro o Colégio Salesiano de Arouca ou Colégio dos Salesianos de D. Bosco, como era oficialmente denominado. Esta congregação, introduzida em Portugal a partir de 1940, inserida num movimento mais amplo de reinstalação de várias ordens religiosas no país, incrementado durante o Estado Novo, teve um desenvolvimento rápido pelo forte apoio estatal conseguido às suas ações de assistência, missionação e educação. À semelhança de muitos outros casos, em 1947, conseguiu que lhe fosse atribuída licença para ocupação de parte do Mosteiro de Arouca, cujas obras de adaptação a colégio vieram a ser suportadas e coordenadas pelo Estado.
Este último Colégio, pela sua natureza, estatuto e apoios de que beneficiou, só compara com os outros dois quanto à sua oferta letiva e mesmo esta apenas a partir de 1975. Com efeito, só entre 1975 e 1982 se dedicou quase exclusivamente à atividade escolar de Ciclo Preparatório. Entre 1960 e 1975 funcionou essencialmente como Seminário Menor, depois transferido para Poiares da Régua.
Com o surgimento do Ciclo Preparatório do Ensino Secundário, no ano letivo de 1968/69, começam também a surgir as maiores dificuldades para os colégios particulares. O Colégio de Santo António ainda reformulou a sua oferta e, para além do Curso Liceal, passou a oferecer também a Telescola. Porém, acabou por encerrar, "em total silêncio", logo no final do ano letivo 1970/71, dando lugar a que arrancasse nessas instalações a Secção Liceal e, pouco depois, para aí se ampliasse o Ciclo Preparatório.
O Colégio de Santa Mafalda, por sua vez, também reformulou a sua oferta e filosofia, deixando de fazer referência expressa à frequência exclusiva de Raparigas, passando a admitir alunos de ambos os sexos. É certo que este Colégio só encerrou definitivamente em 1976, com a venda do edifício onde funcionava e terrenos adjacentes para a construção e instalação da Escola Secundária de Arouca, mas, não fosse esta razão, tinha já os seus dias contados, pela diminuição abrupta de alunos que se vinha a verificar.
O Colégio Salesiano de Arouca, sendo o que há mais tempo estava anunciado, foi também, muito por força das suas suficientes e melhores condições, o que mais perdurou, não resistindo, porém, à oferta letiva pública, tendo encerrado definitivamente há exatamente quarenta anos, quando já se encontravam concluídas para entrar em funcionamento as novas instalações da Escola Preparatória de Arouca.
 
Arouca

Domingo, 25 de Setembro de 2022

Serviço temporariamente indisponível!

PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"A maior casa monástica era a de Arouca, para onde se deslocavam inúmeras jovens da alta linhagem do reino"

Helena Cruz Coelho, na apresentação do Diplomatário do Mosteiro de Arouca

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 73 visitantes online