FUTEBOL
 
FCA vai começar treinos: presidente da Comissão de Gestão faz ponto da situação
 
Joel Pinho dirige Comissão de Gestão do FCA até às eleições
JOEL PINHO: «Temos trabalhado para garantir a continuidade e a sustentabilidade do clube. Quem vier a seguir, que continue»
 
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
As eleições no FC Arouca [FCA] tinham data marcada para ontem, sábado, 29 de Junho. Ficaram suspensas por decisão da liderança da Assembleia Geral [AG], até que o Tribunal de Arouca profira decisão judicial sobre o procedimento cautelar avançado pela lista A, liderada por António Matos, excluída do processo pela Comissão Eleitoral. Para já, a única lista admitida, a lista B, presidida por Carlos Pinho, aguarda a hora de ir a votos.

SUSPENSÃO DAS ELEIÇÕES PROLONGA TEMPO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE GESTÃO

Aquilo que deveria ser uma gestão provisória de três semanas por parte da Comissão de Gestão [CG] do clube e da sociedade desportiva (SDUQ), aprovada na Assembleia Geral de 7 de Junho, afinal vai durar largos dias, entrando por Julho adentro, em fase adiantada da preparação da nova época no Campeonato de Portugal [CdP].
Impunha-se fazer um ponto da situação sobre a nova época e o que está a ser feito. RODA VIVA falou com Joel Pinho, o presidente da Comissão de Gestão que integra ainda Paulo Cerqueira, Flávio Soares e José Américo Quaresma, comissão de quatro elementos que faz o governo provisório actual do FCA, cujo plantel inicia a preparação segunda-feira. Sem fugir ou se esconder das questões, o líder provisório do FCA falou da actualidade do clube.

«Temos trabalhado para garantir a continuidade e a sustentabilidade do FC Arouca. Quem vier a seguir, que continue»

Qual é a amplitude de poderes da comissão que dirige?
"As duas comissões foram aprovadas por unanimidade em AG. Foi proposto que os associados que quisessem delas fazer parte poderiam fazê-lo. Eu disse que estava disponível, até porque estava mais por dentro dos assuntos e do que é a vida quotidiana do clube, e que seria mais fácil em termos de solução de problemas e de conhecimento do que é a realidade do futebol, que não é um mundo fácil. Foram-nos delegados poderes para fazermos a gestão corrente do clube. Insere-se nestes poderes a contratação de jogadores, porque o FCA não pára. Também poderes para entrarmos com a parte negocial do Processo Especial de Revitalização [PER] porque nós acima de tudo o que queremos garantir é a sustentabilidade e a estabilidade do FCA. Relativamente aos estatutos, é nossa função, enquanto estivermos como comissão de gestão, continuarmos a garantir que o FCA é uma associação credível, séria, e que tudo faremos para garantir que os estatutos e os seus regulamentos sejam cumpridos na íntegra. É o nosso princípio base para começarmos todo o nosso trabalho da parte da associação."

A comissão de gestão da FCA SDUQ já contratou treinador e está a contratar jogadores... Não acha isto uma precipitação para uma liderança que é provisória?
"Relativamente ao futebol profissional, que diz respeito à SDUQ, foi-nos dado poderes para fazermos o trabalho de gestão corrente, isto engloba contratações, gestão e organização. São competências que nos foram dadas em AG. Tivemos uma das assembleias com maior número de associados em termos de presença. Foi-nos pedido pelos próprios associados que continuássemos a trabalhar. É o que estamos a fazer, com uma estratégia bem delineada para garantirmos a sustentabilidade do FCA e a continuidade de uma equipa competitiva. Cumprimos as mesmas linhas de gestão que já vinham da antiga direcção, que é uma gestão de seriedade, de correção e de ambição. É o que procuramos manter. O FCA não pode parar. A equipa já está inscrita no campeonato, que começa a 18 de Agosto."

Em que ponto está o PER?
"Ainda não entramos com o processo. Estamos a preparar todo o processo para depois darmos entrada nos meios legais. Temos vindo a reduzir o passivo, o FCA está no bom caminho. O FCA não vai acabar."

Não vê com alarmismo a dívida do FCA?
"Não estamos num período assim tão negro quanto as pessoas querem pintar. Tivemos duas descidas de divisão, uma quebra de receitas acima dos noventa e cinco por cento e tem de se parar, pensar e ganhar uma estratégia para que se consiga manter a estabilidade do clube. Já reduzimos o passivo, temos vindo a rescindir de forma amigável com vários jogadores, são processos que demoram o seu tempo."

O clube continua a investir. Há assim tantas condições e confiança para o futuro?
"Há investimento, mas de forma sustentável. Não vamos entrar em loucuras mas vamos ter uma equipa forte e bastante competitiva para a realidade do CdP. Mesmo depois de termos descido de divisão, a última assembleia manifestou um voto de louvor e um apelo à continuidade do anterior presidente."

O FCA não corre o risco de cair como já aconteceu com outros clubes?
"Os sócios podem estar tranquilos. Se for tomada uma estratégia de gestão correcta, tudo se resolverá no bom sentido. O FCA não precisa de investidores. Sempre foi um clube que foi dos sócios. E acho que deve continuar assim. Há clubes a quem correu mal compromissos com investidores."

A sua comissão contratou Henrique Nunes. Porquê?
"Já foi meu treinador e do FCA. É um treinador que conhecemos bem e que nos dá boas recordações. Foi ele que nos subiu à II Liga. Esteve no Águeda onde fez um bom trabalho neste campeonato. Quisemos um treinador que incutisse nos jogadores a imagem de marca que o FCA tem: de garra, de combate e de trabalho. Já conhece os cantos à casa."

Também já fez novas contratações. Do plantel anterior, há transições?
"Neste momento continuam o Thales, o Sanchez, o Benny, o Adílio, o Fortes, o Lumu e o Bukia."

Com encara a recandidatura de Carlos Pinho, depois de um pedido de demissão?
"As pessoas sentiram a descida de divisão e o impacto de notícias falsas sobre o clube. A demissão foi uma forma de dar a voz aos sócios. Colocou-se a opção de abandonar, mas após muita insistência de várias pessoas e do apoio sentido na última AG em que as pessoas, apesar da descida, aprovaram um voto de louvor e apelaram com força para que Carlos Pinho continuasse, este ganhou força para se recandidatar. Na AG tudo ficou mais clarificado."

Joel Pinho tem sido director desportivo, mas nunca foi director, é-o agora, provisoriamente, e é afecto à lista do ex-presidente. Como encara a mobilização de uma segunda lista candidata à gestão do FCA?
"Toda a gente é livre de se candidatar e acho muito bem que haja interesse pelo clube. Agora, haver interesse e querer ajudar acho que isso são os princípios básicos da lealdade e da cooperação entre as pessoas. Estamos num meio pequeno e quanto mais união houver melhor. Agora, nunca podemos ultrapassar os estatutos nem os regulamentos do clube, porque se não estaríamos a desacreditar a associação FCA. O sinal básico de um associado é o pagamento das quotas. A decisão de suspender as eleições não é minha. Por um sinal de credibilidade e de clareza acho que a Comissão Eleitoral e o presidente da AG fizeram bem em tomar essa decisão. Mas não é bom para o FCA estar nesta situação. Gera desconforto, prejudica, atrasa e dificulta o trabalho quando devíamos estar todos unidos."

Num eventual cenário de candidatura e vitória da lista A, como seria com os compromissos já assumidos pela comissão de gestão que você dirige? Por exemplo, se essa lista pretender outro treinador e até outros jogadores?
"Primeiro, não entro em suposições. Segundo, todo o trabalho que temos vindo a desenvolver até agora é para o bem do FCA, temos poderes que nos foram dados pelos sócios em AG e, depois, quem vier a seguir continue com as obrigações do FCA como nós temos vindo a continuar com as nossas obrigações. Temos trabalhado para garantir a continuidade e a sustentabilidade do FCA. Quem vier, que continue. É este o caminho. Supondo esse cenário, quem viesse teria de assumir as suas responsabilidades directivas e tomar as decisões que entendesse."

Que mensagem final quer deixar?
"Apelo à união. Estamos aqui para defender os interesses do FCA."


ELEIÇÕES À ESPERA DA DECISÃO JUDICIAL
As comissões de gestão do clube e da sociedade desportiva, lideradas por Joel Pinho, continuarão em funções até que se decida o processo judicial aberto pela providência cautelar. Só depois disso, o FCA, através do presidente da AG, José Luís Silva, anunciará a nova data do acto eleitoral que restituirá a direcção definitiva ao clube e à SDUQ.

OFICINA DO FCA ABRE SEGUNDA-FEIRA - V. GUIMARÃES É O PRIMEIRO TESTE
Os elementos que já integram o plantel do FCA iniciam a preparação da nova temporada na próxima segunda-feira, com a realização dos habituais testes médicos. No dia seguinte, inicia-se o trabalho de campo sob a escala de treinos bidiários. O primeiro jogo de preparação está marcado para 6 de Julho, sábado de manhã, na recepção ao V. Guimarães da I Liga, seguindo-se, no dia 10 de Julho, nova recepção, aos sub-23 do FC Famalicão. 2019-06-30 RV
 
Arouca

Sexta, 23 de Agosto de 2019

Actual
Temp: 23º
Vento: ESE a 3 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Sáb
T 28º
V 3 km/h
Dom
T 25º
V 2 km/h
PUB.
PUB.
 
PUB.
INQUÉRITO
Arouca está bem representada nas listas de candidatos às Eleições Legislativas?
 
 
A Frase...

"A prevenção é decisiva no combate aos incêndios"

José Manuel Gonçalves, comandante dos BVA, em entrevista ao RV

PUB.
EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 37 visitantes online