SOCIEDADE
 
Jornadas de Ciência de Arouca: a arte de juntar comunidade, alunos e investigadores
 
Investigadores arouquenses
Num evento aberto ao público, os estudantes foram o alvo predilecto
 
   Mais fotos
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
«Adoro escolas, todas as escolas!». Foi com este sentimento entusiasta que Manuel Sobrinho Simões, Professor Catedrático da Universidade do Porto, encerrou as VI Jornadas de Ciência de Arouca, um evento de referência na promoção do conhecimento científico e tecnológico que juntou no anfiteatro da Loja Interativa de Turismo conceituados cientistas e investigadores de universidades e institutos nacionais e estrangeiros e alunos das escolas arouquenses. De 16 a 17 de Dezembro, a edição 2022 das Jornadas de Ciência de Arouca resultou, mais uma vez, da parceria cultural e institucional entre os Agrupamentos de Escolas de Arouca e de Escariz, o Círculo Cultura e Democracia e o Município de Arouca, com o apoio do Centro de Formação de Associação de Escolas dos concelhos de Arouca, Vale de Cambra e Oliveira de Azeméis-AVCOA.

Parcerias que resultam

Os elogios à forma, ao conteúdo e aos objectivos da dupla jornada dedicada à Ciência - «um trabalho fantástico de articulação» - marcaram as intervenções dos representantes das organizações responsáveis pela iniciativa, Amélia Rodrigues (directora do AE de Arouca), Vitor Venceslau (director do AE de Escariz), Marta Duarte (coordenadora do Círculo Cultura e Democracia), Margarida Belém (presidente da Câmara Municipal de Arouca) e José Rosa (director do Centro de Formação AVCOA). Instituídas em 2015, as Jornadas de Ciência de Arouca abordam os diversos temas e problemas da cultura científica e tecnológica. «Iniciativas como estas são uma mais-valia para as aprendizagens dos alunos e para a sua formação enquanto cidadãos», sublinhou a organização, que destacou ainda o envolvimento dos professores Manuel Sobrinho Simões, Jorge Gonçalves e Glória Regina Tavares e da engenheira Marta Duarte na realização do evento. 
Sob a moderação de alunos e professores dos dois agrupamentos escolares e do Centro Cultura e Democracia, três painéis temáticos, introduzidos por trabalhos de pesquisa dos alunos, foram desenvolvidos por oito especialistas e investigadores de diversas áreas científicas, compondo um programa alargado e rico na variedade de problemas, conceitos e perspectivas.

Aprender com os grandes especialistas

No painel de abertura - “Relações com o desconhecido” -, Sérgio Sousa, investigador no Instituto de Astrofísica e Ciência do Espaço, actualizou os conhecimentos já conquistados pela ciência sobre o mundo para além da Terra, uma imensidão que é por isso mesmo uma inquietação para humanos num planeta em crise. De volta a um planeta cada vez mais movimentado, Carlos Nolasco, investigador no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, traçou os dados, o perfil e as implicações das crescentes migrações humanas, inclusive as do futebol português, em que é especialista. Coube a Jorge Gonçalves, conterrâneo da freguesia de Moldes, Professor Catedrático da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e um dos impulsionadores das ‘Jornadas’, explorar os mecanismos de defesa na nossa luta contra agentes “estranhos” invisíveis, perigosos e infecciosos do organismo. 

Saúde, medicamentos e inteligência artificial

A área da Saúde dominou o segundo painel – “Do problema à proposta de soluções”. Foi o que fez uma das maiores autoridades na matéria, o Professor Catedrático e Presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Henrique Barros, ao apontar os grandes desafios da saúde no século XXI, mormente os de como superar as desigualdades entre indivíduos, comunidades e países. Dos planos para os medicamentos, Félix Carvalho, Professor Catedrático, com funções no INFARMED e responsável do Laboratório de Toxicologia da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, explicou o longo e rigoroso processo de produção e aprovação dos medicamentos, “o longo processo para as curas” habitualmente desconhecido do grande público. As potencialidades da Inteligência Artificial fecharam a tarde, numa abordagem promovida por João Lourenço Silva, engenheiro electrotécnico e de computadores, investigador no Instituto Superior Técnico INESC-ID. 

Energias, sociedade e trabalho

“A sociedade pós-combustíveis fósseis” foi o mote do terceiro e último painel das jornadas de Arouca. A necessidade de mudança de paradigma relativamente aos dispositivos de armazenamento de energia foi apontada pela arouquense Beatriz Maia, investigadora no Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial. Mudanças de paradigma e desafios que se estendem também à organização da sociedade e do trabalho, um assunto contemporâneo urgente que o especialista Manuel Carvalho da Silva, actual coordenador do Laboratório Colaborativo para o Trabalho, Emprego e Protecção Social e ex-líder da CGTP-Intersindical Nacional, retratou com experiência profundidade. 

Investigadores arouquenses: da Escola Secundária para o mundo

Da Ciência que se faz hoje e da Ciência que praticam actualmente falaram também investigadores arouquenses, numa mesa redonda que reuniu nove antigos alunos da Escola Secundária de Arouca. A vontade de ir mais além e a paixão pelo conhecimento permaneceram sempre mais fortes que a interioridade regional e hoje destacam-se em múltiplas instituições científicas. Presencialmente, estiveram Filipe Costa, físico e investigador na área da Gravitação e da Teoria da Relatividade Geral, no CAMGSD do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa; Jorge Cardoso Gonçalves, especialista em Hidráulica, Recursos Hídricos e Ambiente, actual vice-presidente da Associação Portuguesa de Recursos Hídricos; Ricardo Amorim, investigador da doença do fígado gordo não alcoólico no Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra; Simão Rocha, investigador em células estaminais no laboratório de Bioengenharia e Biociências do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, e Tiago Martins, investigador na Universidade do Minho na área da Inteligência Artificial e Visão por Computador. Por videoconferência, participaram Sandra Magalhães, investigadora no âmbito dos riscos cardíacos na Unidade de Investigação Cardiovascular da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; Diana Gomes, investigadora na área do cancro do útero, no Centro de Investigação em Ciências da Saúde na Universidade da Beira Interior e na UCIBIO FCT NOVA; Sandra Pinho, investigadora na área da oncologia na University of Illinois at Chicago (EUA), e Pedro Gonçalves, investigador em Biologia e Genética de fungos e professor auxiliar na National Cheng Kung University, em Taiwan. 

“Diário da Natureza”: ciência e arte juvenil

As Jornadas de Ciência abriram ainda espaço à apresentação do segundo livro da série “Diário da Natureza”, este focado no património da Serra da Freita. Uma nova revelação sobre o Geoparque Arouca que combina Biologia, Geologia e Arte, esta concretizada nas ilustrações de alunos do AE Arouca, sessão editorial que esteve a cargo de Daniela Rocha, Alexandra Paz e Susana Bastos, da AGA, e do professor Júlio Caseiro, da Escola Secundária de Arouca.

Alunos investigam, problematizam e apresentam

Numas jornadas abertas ao público, os alunos arouquenses foram, contudo, o alvo predilecto e a grande razão de ser das Jornadas de Ciência. Três dezenas de estudantes do 9º ano e do ensino secundário dos dois agrupamentos escolares estiveram mesmo em especial evidência na capacidade de problematizar, na forma como trabalharam as suas pesquisas no âmbito dos departamentos de ciências e na maturidade comunicativa com que as apresentaram ao auditório composto de colegas, cientistas e investigadores. Uma lição exemplar na arte de aproximar a comunidade, os jovens e as escolas dos grandes vultos da cultura científica. 

A arte de bem receber

No apoio logístico a um dos maiores eventos culturais e científicos da região estiveram elementos da organização e ainda alunos e professores dos cursos profissionais de Restaurante-Bar, Cozinha-Pastelaria e Multimédia da Escola Secundária de Arouca, cabendo aos alunos da Academia de Música de Arouca proporcionar alguns momentos de lazer musical. 2022-12-21 Manuel Matos/RV
 
Arouca

Domingo, 05 de Fevereiro de 2023

Serviço temporariamente indisponível!

PUB.
PUB.
 
 
A Frase...

"Este projecto dá novas competências às pessoas que lá habitam a nível de alimentação, higiene e saúde"

Padre Luis Mário, em declarações ao RV, faz o balanço do "Bairros Saudáveis"

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | visitantes online