CULTURA
 
Dois violinos no Mosteiro
 
Laura Rickard e Matilde Loureiro percorreram peças desde o Barroco ao período Moderno, passando pelo estilo Clássico
 
   Mais fotos
  Outras acções...
 Enviar a um amigo
 sugerir site
No passado dia 30 de Julho, um cálido domingo de Verão, as portas da Sala do Capítulo do Mosteiro de Arouca abriram-se pela tarde para uma reunião em torno de uma ordem de trabalhos musical: um recital para dois violinos, iniciativa do Círculo Cultura e Democracia, que assim encerrou as suas actividades antes do período de férias.
Percorrer os Claustros, tranquilos e frescos, sossegou a sofreguidão do calor e preparou o espírito para que pudesse contemplar e exaltar com a música que se seguiria. O ambiente na Sala do Capítulo era íntimo e festivo. Laura Rickard e Matilde Loureiro, duas jovens violinistas premiadas e já com considerável experiência, oferecer-nos-iam um belo recital.
O concerto seguiu um programa cronológico, reunindo obras de compositores conhecidos, com o duo de violinos a percorrer peças desde o luxuriante Barroco (de Leclair) ao período Moderno (Prokofiev e Bartók), passando pelo estilo Clássico (com Haydn) e terminando com uma peça recentíssima, de 2016. No segundo lugar do alinhamento, Matilde Loureiro tocou a solo dois andamentos de uma Sonata de Bach, ainda do período Barroco. A artista portuguesa, com ascendência arouquense, e de quem partiu a ideia inicial para este evento, fez também uma apresentação de cada uma das peças.
Do conjunto de sonatas para dois violinos do compositor e fundador da escola violinística francesa, Jean-Marie Leclair, escolheram a Sonata n.º 4 como peça de partida, e logo perpassou para a assistência a concentração, a técnica e a "química" entre Laura e Matilde. Seguiram-se os movimentos Andante e Allegro da Sonata n.º 2 em Lá Menor para Violino Solo de Johann Sebastian Bach, parte de um conjunto de seis obras do virtuoso compositor alemão, que são referência para todo o repertório violinístico, com Matilde como solista, distinta. Passando ao "classicismo vienense", as duas interpretaram o Duo em Si Bemol Maior de Joseph Haydn, influenciado por Mozart. Dois andamentos da Sonata para Dois Violinos de Sergei Prokofiev, recuperando o espírito do estilo clássico, apesar da linguagem modernista, e dois Duos do compositor húngaro Béla Bartók, inspirados na música popular, terminaram o programa esperado.
Por fim, houve lugar a uma surpresa extra: as artistas executaram uma peça de uma compositora radicada em Londres, contemporânea de ambas e amiga de Laura Rickard, com base na música tradicional do Uganda, intitulada "Canção da cegonha" - a cegonha é o símbolo do país, que é também um tributo à amizade e, parece-nos, o prenúncio de uma longa carreira para as talentosas violinistas entre os seus pares.
O percurso foi feliz e brilhantemente interpretado e a Sala do Capítulo revelou ter a atmosfera ideal para concertos de câmara. Assistir a este foi um deleite! CCD 2017-08-16 (fotos: Jorge Ferreira)
 
Arouca

Terça, 21 de Novembro de 2017

Actual
Temp: 14º
Vento: S a 3 km/h
Precip: 0 mm
Céu Limpo
Qua
T 16º
V 5 km/h
Qui
T 15º
V 5 km/h
PUB.
PUB.
 
INQUÉRITO
Nas compras natalícias deste ano, pensa gastar...
 
 
PUB.
A Frase...

"Um apicultor tem que ter grande paixão pelas abelhas, mesmo depois de algumas picadas!"

António Azevedo, produtor de mel em Arouca, em entrevista ao RV

EDIÇÃO IMPRESSA

RSS Adicione ao Google Adicione ao NetVibes Adicione ao Yahoo!
PUB.
Desenvolvido por Hugo Valente | Powered By xSitev2p | Design By Coisas da Web | 50 visitantes online